quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Respostas a Deus e a César.


Muitas vezes nos sentimos como que encurralados, sem saber como responder a certas perguntas que parecem desafiar a nossa fé por termos duas possíveis respostas, uma a Deus e outra ao mundo. Um bom exemplo de uma pergunta que nos deixaria nessa situação, é como um aluno de uma escola responderia sobre a formação dos seres vivos, Evolução ou Criacionismo? É nisso que eu gostaria de focar. Que respostas darmos nessa situação? Penso que não há diferença no que Jesus disse sobre a quem pagar impostos: “Disse-lhes então: “Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”. Lucas 20:25


O mesmo mundo que recebe os impostos que você paga é o que receberá as respostas nas escolas, pois enquanto as escolas, por questões legais, impuserem somente o estudo da origem dos seres vivos pela evolução, é com essa “moeda” que devemos pagar, dando as respostas que a escola, dentro da programação, exige e ministra como matéria de estudo. Porém como cidadãos dos céus devemos em algum momento deixar claro aos colegas, e mesmo aos professores, que embora respondamos conforme os livros estudados e a matéria lecionada, nosso coração tem a certeza da criação divina.


Olhando dessa maneira, entendemos que sendo esta a “moeda corrente no mundo” também poderemos fornecer respostas, nesta moeda, ao que impera e comanda. Ora quem comanda as escolas senão o governo sobre o que ministrar e ensinar dentro delas? E até sobre isso a palavra de Deus nos ampara; vejamos em 1Pedro 2:13e14; “Sujeitai-vos a toda autoridade humana por amor do Senhor, quer ao rei, como soberano, quer seja ao rei como supremo, quer seja aos governadores, como enviados por ele para castigo dos malfeitores e para louvor dos que fazem o bem” Diante disso vemos que temos que obedecer as autoridades colocadas. Nesse caso então, das respostas às escolas, daremos a “César” o que ele pede.


Diferente deve ser nossa posição como Cristãos, aos amigos, colegas de trabalho, enfim aos que nos rodeiam. A eles, a nossa resposta seria como dar a honra e a glória a quem merece: DEUS. Pois nosso coração deverá estar cheio da “moeda celestial”, que diferente da moeda terrena, não se corrói com o passar do tempo, ao contrário, valoriza cada dia mais rompendo o limite de valor terrestre sendo fixado “literalmente” nas alturas celestiais; que é o lugar para onde iremos e viveremos um dia.


Analisemos essa passagem em Marcos 11:27 a 33: “Vieram de novo a Jerusalém. E andando Jesus pelo templo, aproximaram-se dele os principais sacerdotes, os escribas e os anciãos, que lhe perguntaram: Com que autoridade fazes tu estas coisas? ou quem te deu autoridade para fazê-las? Respondeu-lhes Jesus: Eu vos perguntarei uma coisa; respondei-me, pois, e eu vos direi com que autoridade faço estas coisas. O batismo de João era do céu, ou dos homens? respondei-me. Ao que eles arrazoavam entre si: Se dissermos: Do céu, ele dirá: Então por que não o crestes? Mas diremos, porventura: Dos homens? É que temiam o povo; porque todos verdadeiramente tinham a João como profeta. Responderam, pois, a Jesus: Não sabemos. Replicou-lhes ele: Nem eu vos digo com que autoridade faço estas coisas”.


Claro que Jesus sabia que sua autoridade vinha de Deus, por Ele próprio ser Deus. Ele sabia que nesse caso era uma pegadinha em que tentavam enquadrá-lo, entretanto, em outras passagens Ele deixa claro a sua autoridade. Nessa passagem especifica, Ele quis mostrar aos “religiosos de plantão” o quanto eles eram hipócritas. Quando a sinceridade nos é muito cara usamos a hipocrisia como moeda para o pagamento.

2 comentários:

  1. Amado, gostei muito das suas palavras. Se deus quiser usarei-as em um momento oportuno. Paz

    ResponderExcluir
  2. Que bom meu irmão.
    A PAz de Cristo

    ResponderExcluir